A gente é apaixonado pelo mar e tudo que vem dele. Uma das belezuras da vez é um “animal” com nome de caravela-portuguesa, garrafa-azul ou Physalia physalis, para os cientistas.

caravela portuguesa

Encontradas em águas quentes do Oceano Atlântico, Pacífico e Índico, são muito confundidas com as medusas. A caravela-portuguesa não se move – flutua à superfície das águas, empurrada pelo vento, com os tentáculos pendentes com a finalidade de capturar peixes para a sua alimentação.

caravela

E o que tem de mais de fantástico é que este “bicho” é, na verdade, um quebra cabeça de bichos. Ela é formada por vários pedaços, como um módulo. Esta é uma característica dos sifonóforos, uma classe de águas-vivas que “são animais coloniais, isto é, compostos por muitos zoóides fisiologicamente integrados. Eles não se juntam para formar uma colônia; surgem por brotamento a partir do primeiro zoóide, que se desenvolve a partir de um óvulo fertilizado”. E cada parte dessa tem uma função e não fazem nada que a outra faria. Há quem seja encarregado da flutuabilidade, da propulsão, alimentação, reprodução e defesa. Pelo visto são bem organizados.

caravela portuguesa

Além destas características peculiares, a caravela-portuguesa impressiona pela beleza, nas suas mais diversas formas.

alto mar 2

Mas essa maravilha do oceano pode ser bem perigosa. Se vir uma dessas por aí, afaste-se! Há quem diga que seus tentáculos podem chegar até 40 metros e contem substâncias urticantes. E é com esse veneno que ela captura, paralisa e mata os peixes para se alimentar.

No ser humano causa muita dor, dizem até que não mata, mas não estamos muito interessados em confirmar. Nos contentamos em ficar observando.